Artigos Sociais · Artigos Urbanos

Ciúmes e instintos

Que o ciúme é um sentimento irracional, todo mundo sabe. Porém, se ele não faz sentido racionalmente, logo ele se torna um sentimento falho e incerto. Resumindo, isso só reforça uma ideia que vem surgindo na minha cabeça há dias:

Nós não devemos confiar plenamente em nós mesmos.

Por mais que conheçamos verdadeiramente quem somos, nós nunca poderemos ter a certeza de que seremos dignos de confiança.

Na vida nós nos traímos constantemente; seja por não cumprir uma promessa ou jogar tudo pro alto e pedir (em alto e bom som), mais uma taça ou uma sobremesa extra.

Se alguém nos conta um segredo e nós não podemos confessá-lo, ficamos agoniados na esperança de falar com alguém sobre isso. Quando não acabamos revelando para um íntimo, revelamos para nós mesmos, na frente de um espelho ou em pensamentos. No entanto, de um jeito ou de outro, nós revelamos.

O ser humano não é um ser de confiança. Agora sendo assim, se nós não podemos confiar nem mesmo em nós mesmos… Como vamos confiar em outra pessoa?

Mas é aí que o truque é formado.

É muito mais fácil confiar nos outros do que em si mesmo. Isso porque caso alguma coisa dê errado, você e sua cabeça estarão livres de qualquer tipo de responsabilidade.

Se você contou o seu segredo para alguém e esse alguém contou pra outra pessoa, a probabilidade de você culpar o outro e não você, é de 95%.

Entretanto, existem casos em que você confia tanto em uma pessoa que acaba perdendo parte de sua personalidade. Em uma relacionamento amoroso, por exemplo, se você deixar todas as decisões para a outra pessoa tomar, certa hora você vai acabar perdendo um pouco da sua vontade de fazer as coisas.

Se em uma relação é necessário a troca, e para realizar a troca é preciso confiança… Como saberemos em quem confiar?

A resposta desse labirinto é simples: Instinto.

Neste caso, agora lidamos com uma característica humana primitiva. O instinto nos guia diariamente, seja para escolher em que rua atravessar ou que decisão tomar naquele determinado momento.

Segundo o dicionário o instinto pode ser classificado como “impulso natural, independente de razão”. Uma classificação um tanto quanto conhecida, afinal de contas o ciúme também pode ser classificado como um impulso natural sem razão.

Montando todo o mapa e fazendo todas as conexões, a conclusão que eu obtive foi exemplar e não tão exclusiva assim:

O ser humano é totalmente emotivo.

Agora observe as novelas, os filmes, as músicas, o drama. Nós estamos cercados por este tipo de mídia. Mesmo quem se diz “contra o drama”, já está fazendo fazendo-o acontecer.

Mas se por raiz somos seres impulsivos e independentes de razão, o que cria a razão?

Do mesmo modo em que temos o impulso natural para correr atrás do que queremos, temos também o impulso natural do aprendizado. Nós aprendemos a ser racionais; nos acostumamos e nos forçamos a sermos criaturas coesas. Afinal de contas, por que será que passamos pela fase do “porquê” onde tudo o que nos dizem nós retrucamos?

O ser humano é um ser complexo e não tão difícil de ser estudado. A diferença vem da mente aberta e do respeito mútuo.

Nós temos que respeitar e entender o próximo. Aceitar é outro assunto e outro tópico, afinal de contas andamos em passos e não em pulos; e tudo é construído com tempo e paciência.

Nosso ser é um ser primitivo que necessita de evolução. Essa evolução vem desde recém-nascido e vai até a morte. Pois nós morremos quando não queremos mais aprender.

Então esse é o meu objetivo, essa é a minha meta. Eu não vou deixar meus instintos primitivos me dominar e me transformar em uma pessoa ilógica. Eu irei lutar para ser mais racional e menos emotivo; talvez assim eu não sofra tanto; talvez assim meu futuro poderá ser melhor e mais brilhante.

*Extraído do livro “Casais inteligentes engolem sapos”, Adriel Dantas/Clube de autores, 2017* adrieldantas.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s