Citações e prévias

Dois homens no escuro

A noite estava fria e escura. A rua deserta demonstrava sua solidão com um pequeno balé realizado pelas folhas mortas que caíam dos ramos das árvores.

Das sombras de uma das árvores surgiu um homem alto e sério; ele portava uma longa capa preta e na sua cabeça jazia um grande chapéu redondo, também preto.

O homem observou a rua deserta e caminhou até o último poste do extremo. Lá ele se encostou no tronco de metal e retirou um cachimbo das vestes. Ele acendeu a fornalha e tornou-se a olhar para o vazio na sua frente.

Lentamente outro homem apareceu no final da rua. Ele caminhou em direção ao desconhecido até imitá-lo na posição. O primeiro homem tinha longos cabelos pretos, já o segundo estava irreconhecível.

– Irei ao amanhecer. – Falou o primeiro para o vento.

– Tente não estragar tudo desta vez.

– Não irei, Linn, o plano está todo esquematizado.

– Alguém desconfia do disfarce? E quanto à fronteira?

– Já está tudo resolvido. Pode confiar.

O segundo homem bufou discretamente. Linn levou o cachimbo à boca e lentamente sugou a fumaça; soltando-a lentamente segundos depois. Os galhos da árvore balançavam devagar, seguindo o movimento do vento.

– O mapa já está quase completo, Marc – Falou Linn embaixo do capuz. – Em breve tudo irá mudar.

– E eu quero fazer parte desta mudança.

– Se você completar a missão tenho certeza de que fará parte. Você trouxe o pacote?

Marc colocou a mão no bolso e delicadamente retirou um objeto redondo que estava envolto em um pano xadrez. Finn observou a sombra arredondada do objeto e se fascinou. Lentamente ele estendeu a mão e puxou o artefato da mão de Marc; guardando-a rapidamente no bolso.

– Isso poderá mudar o destino de tudo. – Comentou Finn.

Marc, que até então estava com uma expressão tristonha por ter passado o objeto para o Finn, voltou a observar o final da rua escura.

– A máquina está pronta? – Perguntou ele.

– Em poucos meses estará. Em poucos meses a mágica mais poderosa deste mundo estará quebrando toda e qualquer barreira. – Finn proclamava as palavras com raiva e rancor. – Em poucos meses mais países serão dominados e o grande relógio de Garnir irá sucumbir. Em poucos meses, caro Marc, o símbolo de tradição e honra do mundo mágico Belga se tornará lenda. E então uma nova ordem surgirá e tudo o que um dia foi considerado inútil e desprezível, será aclamado e reverenciado.

Um pássaro voou da árvore e seguiu rumo por entre o céu estrelado. Os homens se entreolharam e depois voltaram a fitar o fim da rua.

– O Charles foi eliminado? – Perguntou Marc.

– Está preso. Não acho que o grupo vá eliminá-lo, afinal de contas ele foi muito importante para o movimento. Pena que não se adaptou as… Melhorias.

Outro pássaro voou da árvore, desta vez cantando. Finn deu um passo para frente e em súbito começou a caminhar pela rua, voltando para o começo dela.

Marc estranhou o comportamento do comparsa, mas em poucos segundo entendeu do que se tratava.

De repente, Linn se virou e soltou uma bola verde esmeralda em direção à árvore. Um fogaréu enorme iluminou a rua enquanto a árvore pegava fogo.

Das chamas caíram dois corpos. Era um homem e uma mulher, ambos não sofreram queimaduras, mas seu aspecto era um tanto quanto curioso. O casal tinha enormes asas de canários e a boca deles lembrava um bico.

Segundos depois da queda os dois se levantaram rapidamente e conjuraram uma mágica em direção ao Finn.

No exato momento, Marc fugiu por entre a rua. O homem pássaro ainda tentou impedi-lo, mas de nada adiantou. Marc fugiu com a velocidade de um relâmpago.

A batalha gerou enormes flashes de luz e a rua que antes estava escura, agora reluzia em raios azuis marinhos e vermelho sangue.

Em determinado momento o homem pássaro pulou e se transformou em um pequeno canário, ele deu dois cantos e depois sumiu no meio do céu. A mulher continuava concentrada, soltando mágicas intermináveis em direção ao Linn.

Mas Linn não era iniciante no mundo mágico. O encapuzado dominava a arte e ainda tinha tempo de cobrir o rosto quando o capuz ameaçava voar.

– Sua insignificante, estúpida. – Falava roendo os dentes de raiva. – Eu vou te matar.

A mulher não perdia tempo falando, apenas sussurrava mágicas ainda mais poderosas e complexas para si mesma.

– O seu mundo vai queimar. – Continuou o rebelde, agora com os olhos fervendo. – E quando chegar a hora, eu irei te ver implorar para morrer.

Inúmeros raios prateados começaram a dançar ao redor dos dois mágicos. Um apito agudo foi ouvido ao longe; várias luzes se acenderam na rua.

Em seguida ecoou um grito feminino, um estalo e uma risada.

E então tudo ficou escuro.

 

  • Texto extraído do livro “Albert Beaumont no mundo dos mortos”. Pag 11 até 14.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s